Sockeye bate recordes na safra de salmão selvagem do Alaska
Pesca

Sockeye bate recordes na safra de salmão selvagem do Alaska

Keta e coho ficaram abaixo do esperado. Já a captura de salmão rosa e rei foi considerada boa e ficou próxima ao estimado

23 de outubro de 2019

arroba publicidade
A safra de salmão selvagem no Alasca fechou a temporada com mais de 200 milhões de peixes capturados, o que é equivalente a 94% do projetado no início pelo Departamento de Pesca do Alaska (ADF&G). O sockeye bateu recordes, enquanto keta e coho ficaram abaixo do esperado. Já a pesca de salmão rosa e chinook foi considerada boa e ficou próxima ao estimado. A atualização final da safra de salmão selvagem é feita pelo McDowell Group para a Alaska Seafood Marketing Institute.
 
Conforme a agência, a safra deste ano é considerada a 8º maior registrada e dados indicam que algumas centenas de milhares de salmões adicionais serão geralmente capturados nas próximas duas semanas.
 
 
Sockeye em alta
 
As capturas de sockeye excederam o esperado em 33%, ou cerca de 14 milhões de peixes. A colheita de 2019 foi de 55 milhões de peixes, considerada a quarta maior já registrada, medida pelo número de peixes. A Baía de Bristol foi responsável por 78% do total. O resumo da temporada de salmão de Bristol Bay da ADF&G descreve a colheita de 2019 como a mais valiosa já registrada e a segunda maior produção medida em libras desembarcadas.
 
Rosa próximo ao esperado
 
A agência indica que cerca de 91% da produção esperada de salmão rosa foi alcançada com aproximadamente 125 milhões de peixes. O número representa a oitava maior safra já registrada. A PWS contribuiu com a maioria das regiões em 38% do total, a captura de Kodiak representou 26%. Já a AK Pen.Ilhas Aleutas e Sudeste representaram 16% do acumuldado, enquanto outras regiões do Alasca compuseram os 4% restantes.
 
Baixas de chinook, keta e coho
 
A captura de chinook teve quase 255.000 peixes, o que é um pouco maior que 2018, mas considera uma das mais baixas desde 1975. O sudeste contribuiu com 63% do total e Bristol Bay foi o segundo maior produtor, com 13%. Outras áreas do Alasca, incluindo AK Pen. Ilhas Aleutas (11%) e PWS (7%) totalizam os 6% do restantes das capturas.
 
Já a produção de keta foi de quase 12 milhões a menos de peixes do que o previsto, totalizando 59% da projeção. E as capturas de coho também decepcionaram, foram cerca de 25% em relação à colheita prevista de 4,6 milhões de peixes.
 
A atualização semanal da agência usa o número de peixes como a principal medida do volume da pescaria. Segundo ela, agora é preciso analisar a os números de  2019 se compara em termos de peso total. O peso médio por peixe pode variar de ano para ano. Por exemplo, o sockeye médio de Bristol Bay pesava entre 5,1 e 6,0 libras na última década. e o PWS rosa teve uma média de 2,8 a 3,9 libras no mesmo período.
 
Créditos da imagem: Barbara Jackson/Pixabay

Alaska Seafood Marketing Institute, Alaska Seafood Marketing Institute, Departamento de pesca do Alaska (ADF, Departamento de pesca do Alaska (ADF, McDowell Group, McDowell Group, salmão chinook, salmão coho, salmão coho, salmão do Alaska, salmão do Alaska, salmão keta, salmão keta, salmão rosa, salmão rosa, salmão sockeye, salmão sockeye, salmão-rei

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3