O adeus a Fábio Hazin
Pesca

O adeus a Fábio Hazin

Hazin foi um profissional com longa história de contribuição à pesca e aquicultura brasileira e mundial

07 de junho de 2021

arroba publicidade
*Nota em atualização
 
Em uma época de inestimáveis perdas, o setor se despediu nesta segunda-feira (7), de Fábio Hissa Vieira Hazin, profissional com longa história de contribuição à pesca e aquicultura brasileira e mundial. Após complicações provocadas pela Covid-19, a morte cerebral de Hazin foi confirmada na manhã de hoje pela assessoria de comunicação da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).
 
Em sua homenagem, nossa equipe colheu diversos depoimentos de profissionais do segmento sobre a relevância da vida, obra e imenso legado de Hazin para o pensamento pesqueiro brasileiro e mundial.
 
Contribuições de Hazin 
 
Com uma vida dedicada ao setor, as contribuições de Hazin são inúmeras. Ele possui graduação em Engenharia de Pesca pela UFRPE; Mestrado e Doutorado em Marine Science and Technology/ Fisheries Oceanography, na Tokyo University of Marine Science and Technology e Pós-doutorado em Avaliação de Estoques de Recursos Pesqueiros Pelágicos Migratórios, no Southeast Fisheries Sience Center/NMFS/NOAA, Miami, EUA.
 
Ele ainda tinha especialização em Direito Internacional do Mar pela Rhodes Academy e atualmente era professor associado da UFRPE, no Curso de Engenharia de Pesca, e no Programa de Pós-graduação em Recursos Pesqueiros e Aquicultura, e na UFPE, no Programa de Pós-graduação em Oceanografia. Também exercia a função de Coordenador Geral Científico do Programa Arquipélago de São Pedro e São Paulo.
 
Entre os anos de 1995 a 2005, exerceu a função de Coordenador do Programa REVIZEE- Programa para a Avaliação dos Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva Brasileira/ Região Nordeste. 
 
A convite da Organização das Nações Unidas, proferiu, na sede da ONU, nos EUA, em junho de 2005, em homenagem ao Dia Mundial dos Oceanos, palestra intitulada: A Contribuição da Pesca Artesanal e de Pequena Escala para o Desenvolvimento Sustentável; e em março de 2009, outra palestra intitulada: as Necessidades dos Países em Desenvolvimento na Capacitação e Treinamento para o Setor Pesqueiro. 
 
Entre 2008 e 2009, presidiu o processo de negociação na FAO/ONU para a elaboração e adoção do Tratado Internacional sobre Medidas de Estado Porto para Prevenir, Deter e Eliminar a Pesca Ilegal, Não Regulada e Não Reportada, aprovado pelo Conselho da FAO, em Dezembro de 2009; e a negociação também na FAO/ONU para adoção das Diretrizes Internacionais para o Desenvolvimento da Pesca Artesanal e de Pequena Escala.
 
Entre 2004 e 2012, exerceu a função de Presidente do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões- CEMIT e de Diretor do Departamento de Pesca e Aquicultura da UFRPE. 
 
Entre 2007 e 2011, presidiu a Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico (ICCAT) e a Associação Brasileira de Engenharia de Pesca.
 
Em 2011, a convite da FAO, presidiu o processo de avaliação do Comitê de Pesca para o Atlântico Leste e Central (CECAF) e da Comissão de Pesca do Oceano Índico Sudoeste (SWIOFC).
 
Ainda em 2011, presidiu o processo de avaliação da Organização de Pesca do Atlântico Noroeste (NAFO) e da Comissão de Pesca do Oceano Pacífico Oeste e Central (WCPFC).
 
Entre 2010 e 2013, presidiu o Grupo de Trabalho sobre Organismos Marinhos Oriundos de Águas Internacionais (Introduction from the Sea), da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Ameaçadas de Extinção (CITES). 
 
Hazin também foi Representante Científico do Brasil junto a Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico (ICCAT) (1998-2015); e Presidente do Subcomitê Científico do Comitê Consultivo Permanente de Gestão de Atuns e Afins (1998-2015).
 
Em 2015, exerceu o cargo de Secretário Nacional de Pesca do Ministério da Pesca e Aquicultura e, interinamente, de Ministro de Estado da Pesca e da Aquicultura. 
 
Em 2014 foi eleito Presidente, junto a ONU/DOALOS, Divisão de Oceanos e Lei do Mar, do Processo de Consultas dos Estados Parte do Acordo de Nova Iorque e em 2015 e 2016 para presidir o processo de revisão do referido Acordo.
 
Entre 2012 e 2014 exerceu o cargo de Vice-Presidente e de 2014 a 2016 de Presidente do Comitê de Pesca da FAO (COFI). 
 
O currículo de Hazin ainda traz experiências em Oceanografia Pesqueira e Engenharia de Pesca, com ênfase em grandes peixes pelágicos (atuns, agulhões, tubarões), atuando principalmente em biologia reprodutiva, distribuição, comportamento, migração; Gestão Pesqueira e Direito Internacional do Mar.
 
 
Confira abaixo a despedida de profissionais do setor a Fábio Hazin:
 
“Mestre Hazin, permita-me discordar do senhor… ao menos uma vez: perdi sim um amigo. Aliás, amigo não. Perdi Um mestre. Um irmão. Um conselheiro. Um entusiasta. Te devo muito. O Brasil também. Perdemos muito hoje com sua partida. Obrigado por tudo que fez pela ciência, pela pesca. Pela defesa do Brasil. E por seus conselhos e orientações que sempre me fizeram crescer. Deus te guarde em bom lugar e ampare a todos nós, amigos irmãos, alunos, familiares que hoje empobrecem e ficam órfãos de Fabio Hazin. Te amo. Lhe sou grato. Vá em paz. Meu amado irmão. Adeus mestre querido."
Secretário da Aquicultura e Pesca (SAP), Jorge Seif Jr
 
“Perdemos Fábio Azin!! Que notícia terrivel para os familiares, amigos, o Setor Pesqueiro e o Brasil. Estou muito triste. Perdi um amigo e o Brasil perdeu um grande profissional e defensor do setor e um grande Ser Humano. Batalhamos juntos em muitas frentes, uma foi pela Presidência do ICCAT, quando articulamos juntos sua candidatura e com o grande respeito que tinha a nível internacional, foi eleito.
A outra batalha foi para a criação do Ministério da Pesca. Fábio foi capaz de vir de Roma exclusivamente para uma reunião com o Ministro Minc do Meio Ambiente para tratar das competências do Ministério e depois retornou a Roma para seguir com seu compromisso. Fez uma palestra memorável na última edição do IFC Brasil sobre Gestão Pesqueira. Um Ser Humano extraordinário, entusiasta, ousado e seguramente o profissional e pesquisador brasileiro do setor pesqueiro mais respeitado a nível mundial. Obrigado por tudo Fábio. Vai com Deus meu amigo. Descanse em Paz.”
Altemir Gregolin, ex-ministro da Aquicultura e Pesca
 
Uma perda irreparável para o Brasil e para o mundo. O Professor Doutor Fábio Hazin escreveu sua história fundamentando seus posicionamentos na ciência e em uma relação de simbiose com o setor de pescado. Com o Professor Hazin, o Brasil aprendeu a se posicionar mundialmente em fóruns de alto nível. Abrimos espaço e consolidamos nossa participação e relevância junto ao ICCAT, por exemplo.
A partir da dedicação dele, evoluímos em questões sensíveis e caras ao País, como relativas ao ordenamento pesqueiro nacional; à estruturação de sistemas de monitoramento e controle; assim como em questões relativas ao uso sustentável dos recursos pesqueiros disponíveis para o brasileiro.
O Professor nos deixa fisicamente, mas permanecerá vivo frente ao seu grande legado. Temos uma responsabilidade a partir de agora, que é a de manter o Brasil apto a lançar questionamentos à comunidade internacional assim como o de fixar novos entendimentos a partir da produção científica nacional, comportamentos executados com maestria pelo Amigo Fábio Hazin. A Abipesca continuará trabalhando para elevar o Brasil ao posto que um dia fora sonhado por ele, o de um País relevante para oferta de pescado ao mundo e ambientalmente responsável pelos recursos nacionais e migratórios."
Presidente da Abipesca e da Câmara Setorial da Produção e Indústria de Pescados do Mapa, Eduardo Lobo
 
“Fábio Hazin era engenheiro de pesca, grande cientista e exímio negociador nos assuntos internacionais de pesca. Detentor de uma mente brilhante, com raciocínio rápido e extremamente dedicado ao trabalho. E ainda encontrava tempo para escrever poesias. Foi um prazer e um privilégio fazer parte do seu ciclo de amizade. Vá em paz, amigo.”
Francisco Osvaldo Alves Barbosa, engenheiro de pesca, advogado aposentado do IBAMA e ex-MPA 
 
"Hoje não perdi meu querido amigo Fábio Hazin, pois ele estará para sempre comigo... 
Minha referência na pesca, minha referência como pessoa, meu grande incentivador, um profissional absolutamente admirável e que jamais será esquecido... Um herói para muitos, inclusive para mim!!!
Segue teu caminho, faça o que mais você gostava de fazer... sorrir e fazer os outros sorrirem...
Vai em paz meu amigo... E eu aqui te levo como uma parte de mim...
Obrigado pelo privilégio de poder te conhecer."
Alex Augusto, professor, ex-SAP/Mapa
 
"Fabio Hazin, professor, pesquisador, secretário, amigo de 25 anos, consultor da FAO, presidente da ICAAT, pai, filho, esposo, adepto da meditação, enfim; não morreu Fábio Hazin...Morreram Fábio Hazin!... Ele me chamava de Felipinho...foi um dos responsáveis por me convencer a aceitar voltar ao MPA. Sentirei muitas saudades, amigo! Na sua Paz, uma boa passagem...e até breve!"
Felipe Matias, consultor, ex-MPA
 
“O professor Fábio deixou grande contribuição para a ciência e a pesquisa. Sentimos muito por essa perda e por tantas que temos enfrentado na comunidade universitária e no Brasil de maneira geral."
Reitor da UFRPE, Marcelo Carneiro Leão
 
"Amigos, considero que toda  existência têm seus  propósitos, tem sua maturação, seu crescimento, sua evolução.
Algumas existências são tão especiais que se mantém permanentes  como Ghandi, Sócrates e tantos outros. Fábio Hazin, nosso amigo Fábinho, seguramente é dessas pessoas que, na sua existência,  construiu sua permanência no mais elevado grau de excelência humana. Tomando o pensamento dele, "nós não perdemos amigos"! Digo eu, nós não perdemos  pessoas como Fábio  por tudo que elas representaram e nos proporcionaram em suas existências. Elas apenas mudam de forma mas permanecem para sempre nesse universo que construímos a todo momento. Nós  não perdemos Fábio!
Ele estará sempre conosco, com seu sorriso largo, seu pensamento livre, sua mente aberta, sua espiritualidade elevada, sua generosidade permanente, sua inteligência singular, sua simplicidade franciscana, sua capacidade de trabalho e de  luta spartana, seu sentimento humanista, sua genialidade universal para quem o MUNDO sempre foi sua aldeia e o Brasil, os oceanos e a pesca suas grandes paixões. 
De modo que meu querido amigo, irmão, guru espiritual, referência intelectual e de trabalho, jamais lhe darei adeus, talvez apenas um até breve, pois você estará sempre comigo em tudo que me ensinou e nos momentos que me brindou, nos teatros do mundo, onde sempre me encheu de orgulho e me  provou  que o melhor do Brasil é o brasileiro.Siga em Paz em amigo, pois sei que Deus, nosso Senhor Jesus Cristo e a Ave Maria,  estão com você. Seu amigo, irmão e admirador."
Gabriel Calzavara de Araújo, presidente da PescaBR
 
"Difícil expressar em poucas palavras o sentimento e a magnitude da perda de alguém tão importante para a pesca brasileira como a pessoa do professor Fábio Hazin. Fábio honrou o Brasil com sua eloquência, inteligência e conhecimento científico extraordinários em quase todos os fóruns pesqueiros internacionais e nacionais nos últimos 30 anos, defendendo o País com maestria e elevando nossa posição e relevância junto à ONU, aos inúmeros Acordos Internacionais do qual o Brasil fez parte e especialmente perante os organismos de pesca multilaterais, como ICCAT, onde foi presidente por 4 anos, e a FAO, onde comandou o seu comitê de Pesca, sempre com sua condução exemplar e determinante. Por seu papel, O Brasil ampliou seu direito de pescar e exerceu a liderança junto aos países costeiros em desenvolvimento na pesca de atuns do Atlântico.           
Em tantos momentos decisivos, Fábio foi nossa âncora, nosso porto seguro e nosso farol; Fábio foi também certamente um dos cientistas mais brilhantes que o Brasil já teve em sua área de atuação. Falar de seu currículo seria algo redundante e desnecessário. Fez ciência com a determinação de poucos, produziu centenas e centenas de trabalhos científicos em cooperação com alunos, instituições, governos e cientistas de vários países. Coordenou o levantamento dos recursos pesqueiros do Nordeste (Revizee) e conduziu diversos programas governamentais junto à Marinha, Ministério da Pesca e Ministério do Meio Ambiente. Formou uma legião de engenheiros de pesca aguerridos e entusiastas. Tivemos o prazer e a honra de fazer parte na Norte Pesca de centenas dessas pesquisas científicas e nos sentimos muito próximos de todos os estudantes que aqui passaram sob sua coordenação. Hoje grande parte dessa turma passada, presente e futura enobrece a ciência brasileira na fábrica de excelência que se tornou a Universidade federal Rural de Pernambuco sob sua atuação. 
Por sua paixão pela ciência, Fábio nos deixou um legado e foi o mestre e o brilho de seus alunos e companheiros de trabalho
Fábio foi uma figura humana incrível. Inspirador para muitos, incentivador para outros, motivador para tantos. Todos tivemos o privilégio de dividir as nossas existências com ele, como assim mesmo ele gostava de definir. Conforta saber que ele havia encontrado o sentido de sua própria vida num universo de muita paz e gratidão. E assim vinha também transformando a vida de tantas pessoas. Por tudo isso uma perda inestimável e a certeza de tanto que ele ainda tinha pra nos dar enquanto país e enquanto amigos e familiares. Termino essa breve homenagem parafraseando suas próprias palavras: “não, não perdemos um amigo porque ele continuará vivendo dentro de todos nós...
Fábio, continue irradiando a sua luz em cada um dos que tiveram o privilégio de dividir momentos a seu lado."                         
Rodrigo Hazin, primo e diretor da NortePesca
 
"Hoje me pediram para falar alguma coisa sobre Fabio Hazin, diante de uma noticia tão arrasadora como é a de sua partida. Quem era Fabio?  Muita gente não teve a oportunidade que eu e meus amigos de profissão do Departamento de Pesca e Aquicultura tivemos, sem falar dos inúmeros alunos que se formaram e são hoje profissionais moldados por um pouco de Fabio. Era um exemplo de cientista, perseverante, curioso e meticuloso, características que fizeram ele se destacar no meio acadêmico e científico. O Brasil ficou pequeno para ele, logo os órgãos internacionais perceberam suas qualidades de mediador em qualquer língua, sendo eleito presidente da ICCAT, órgão que faz a gestão do Atum no Atlântico, por dois mandatos. Os convites não pararam mais, nós do DEPAQ tivemos muita sorte por ele não ter aceitado os internacionais para morar fora do País, sem falar na representação em comissões, onde defendeu como ninguém os interesses do Brasil, além de ser convidado para cargos em ministérios e secretarias nacionais. Presenciamos uma mudança no nosso Fabio, quando ele começou a olhar o mundo pela visão budista, e aquela máquina de trabalho incansável, passou a ter a mesma eficiência com certa leveza. Todos que tiveram a oportunidade de ter contato com ele lucraram com algum aprendizado, e o mais importante foi a visão de ser humano que nos transmitiu. Vai, vai, Fabio, pregar os seus conhecimentos, pois o resto do universo deve está precisando com urgência, nós agradecemos pela oportunidade que você nos deu." 
Professor Vanildo Souza de Oliveira
 
"Grande perda!
Fica em nossa memória o exemplo de uma pessoa querida, um amigo muito culto, conversava com propriedade sobre qualquer assunto, e um brilhante profissional, inclusive falava japonês e mandarim. Possuía uma grande capacidade analítica e de negociador. Principal responsável do avanço do Brasil no ICCAT.
Fica para todos nós o seu exemplo e que seu legado possa influenciar novas gerações.
Grande perda para o setor pesqueiro.
Fabio Hazin, descanse em paz!"
Rui Donizete Teixeira, SAP/Mapa
 

"São poucas as pessoas que, no decorrer de sua vida, conseguem construir uma imagem de coerência e unidade, isto é peculiar a inteligências e a entes superiores, pessoas iluminadas por um brilho especial concedido pelo Cosmo, por Deus, ou pela energia que cada um considera a força motriz deste mundo de ciência e de mistérios, de mensurável e de infinito, de corpo e de espírito.
Fabio Hazin era um destes, absolutamente dedicado ao seu país, era um guerreiro a lutar pelo respeito e pela atenção da condição brasileira, conseguia achar argumentos e coerência mesmo neste universo de inconsistências que prevalece no nosso cotidiano.
Perco um Professor, um amigo, uma referência.
Perde a pesca brasileira, um mestre, um obstinado, um bravo.
Perde o País, um cidadão, um democrata, um estrategista.
Por mais diferenças de opinião que pudéssemos ter, por mais distinto que fossem os planos, jamais ele prevaleceu sem que fosse pelo consenso, jamais deixou de assumir e lutar bravamente por uma decisão coletiva, mesmo que fosse diferente sua opinião pessoal.
Um exemplo de Homem a ser seguido, uma forma de ser a considerarmos a cada momento, e que neste momento de dor e de perdas, que pelo menos lições tomemos, que nos inspiremos e entendamos valores que lhe eram tão espontâneos, como a democracia, o civismo, a humildade.
Não escrevo como Governo, não escrevo como Setor, não escrevo... Lamento, choro, sangro como pessoa, como admirador, como órfão.
E neste momento de profunda dor, só posso oferecer solidariedade e indicar a compreensão, destacando a limitação de nossa condição humana, de nossa metade animal.
À família, aos amigos, aos alunos, aos leitores e ouvintes, a todos, que dividamos esta dor, tirando dela aprendizado, magnitude, nobreza, honestidade moral, em respeito à alma que a pouco de desprendeu do corpo, e navegará plena por oceanos e universos que certamente irá desbravar. Flua Professor Fabio, flua com um vigor que nós, ainda presos a esta forma de vida, não conseguimos sequer imaginar."
Cadu Villaça, SAP/Mapa
 
"A Oceana lamenta profundamente a morte de Fábio Hazin, um dos maiores cientistas pesqueiros do País. O legado deixado por Fábio transcende a ciência e se mescla com a história da gestão pesqueira no Brasil.  Uma liderança comprometida com o diálogo e com a busca incansável pelo consenso e pela inclusão. Como Secretario da Pesca e Ministro Interino da Pesca, Fábio liderou a recriação dos Comitês Permanentes de Gestão (CPGs). Como presidente da Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico (ICCAT), promoveu mudanças importantes na complexa gestão regional dos atuns no Atlântico. 
Engenheiro de pesca e professor titular da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Hazin publicou diversos estudos científicos construídos em parceria com seus alunos e colegas – e era um de nossos parceiros na iniciativa Opentuna.  Foi também fundamental no diálogo entre os vários segmentos da pesca, contribuindo para seu aprimoramento enquanto política.
“O País perde uma grande referência para a ciência pesqueira nacional e internacional. O trabalho de Hazin promoveu inúmeros progressos para a pesca e a pesquisa. Sentimos muito por essa perda”, lamenta o diretor-geral da Oceana, Ademilson Zamboni. 
 
"O Coletivo Nacional da Pesca e Aquicultura (Conepe) vem por meio deste demonstrar seus mais sinceros sentimentos pelo falecimento do Professor Dr. Fábio Hazin. Ele era referência no mundo todo como pesquisador na área da pesca e atuava como Professor titular na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Hoje a pesca nacional perdeu um de seus pilares na busca do desenvolvimento e da sustentabilidade, Fábio era atuante em diversos órgãos de discussão e gestão pesqueira nacionais e internacionais. Engenheiro de Pesca, Mestre e Doutor em Oceanografia Pesqueira pela Universidade de Tóquio, Fábio possuía ainda diversas especializações nas áreas pesqueira e do direito internacional do mar. Dentre inúmeras atuações em órgãos de gestão podemos destacar a de Coordenador do Programa para a Avaliação dos Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva Brasileira da Região Nordeste – REVIZEE, Presidente do processo de negociação na FAO/ONU para a
elaboração e adoção do Tratado Internacional sobre Medidas de Estado Porto para Prevenir, Deter e Eliminar a Pesca Ilegal, Não Regulada e Não Reportada, aprovado pelo Conselho da FAO, Presidente do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões – CEMIT, Diretor do Departamento de Pesca e Aquicultura da UFRPE, Presidente da Associação Brasileira de Engenharia de Pesca, Presidente do processo de avaliação do Comitê de Pesca para o Atlântico Leste e Central – CECAF e da Comissão de Pesca do Oceano Índico Sudoeste – SWIOFC, Presidente do Grupo de Trabalho sobre Organismos Marinhos Oriundos
de Águas Internacionais, da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Ameaçadas de Extinção – CITES, Presidente do processo de avaliação da Organização de Pesca do Atlântico Noroeste – NAFO e da Comissão de Pesca do Oceano Pacífico Oeste e Central – WCPFC, Vice-Presidente e Presidente do Comitê de Pesca da FAO, Presidente do Subcomitê Científico do Comitê Consultivo Permanente de Gestão de Atuns e Afins, Secretário Nacional de Pesca do Ministério da Pesca e Aquicultura e, interinamente, de Ministro de Estado da Pesca e da Aquicultura. Além disso, Fábio foi por quase 20 anos o representante científico do Brasil junto a Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico – ICCAT, da qual também já foi Presidente, e onde conseguiu várias conquistas para o Brasil no âmbito das capturas de atuns e afins pela frota nacional. Além de um grande profissional Fábio também era um ser humano incrível, sempre disposto a ajudar e ensinar quem fosse. Com certeza vai fazer muita falta para todos que o conheciam. Deixamos aqui registrado nosso apoio a todos os familiares e amigos do Professor Dr. Fábio Hazin. Obrigado Professor, por ter deixado um legado inspirador para todos nós!"
Alexandre Guerra Espogeiro, presidente do Coletivo Nacional da Pesca e Aquicultura (Conepe) 
 
"É muito difícil falar de um amigo que se tornou colega  de trabalho. Ao longo de mar. E foi assim que nos tornamos professores do Departamento de Pesca da UFRPE. Desde então, pude ver de perto a genialidade de Fábio em todas as suas ações de ensino, pesquisa e extensão. Nossa Universidade, o Recife, Pernambuco, se tornaram pequenos demais pra ele. E não poderia ser diferente. Sua paixão pela pesca, pelos tubarões, atuns e agulhões, peixes oceânicos grandes migradores, o levaram para além das nossas fronteiras regionais e, como não poderia ser diferente, nacionais também. Pela sua dedicação e eficiência, pela sabedoria e eloquência, pelos conhecimentos e capacidade de diálogo em diferentes línguas, Fábio atuou em diferentes órgãos de gestão pesquira, aqui no Brasil e no exterior. Ele foi secretário da Secretaria de Ordenamento da Pesca, do Ministério da Pesca e Agricultura, presidente da ICCAT- Comissão Internacional para Conservação do Atum Atlântico e também do Comitê de Pesca da FAO. Desenvolveu várias pesquisas, orientou inúmeros alunos, fez ciência  de excelente qualidade e publicou uma lista considerável de artigos científicos de referência nas áreas de pesca e bioecologia marinhas. Isso tudo é pouco, muito pouco, para mostrar o que Fábio fez. Sua contribuição para a ciência e a gestão pesqueira    a nível mundial é extraordinária. Além disso, Fábio foi um ser humano gigante em vários aspectos.  Na sua tranquilidade, tolerância, sinceridade, amorosidade, honestidade, entre outras mais. Ele vai fazer muita falta. Como amigo, parceiro e cientista  genial que foi. Siga em paz meu querido amigo. Obrigado por partilhar comigo boa parte de sua bela jornada por aqui. Você agora certamente irá navegar por outros mares. Não tenho dúvidas que nos encontraremos novamente. Até qualquer dia!"
Paulo Travassos,  professor associado da UFRPE, do departamento de pesca e aquicultura
 

aquicultura, Covid-19, Fábio Hazin, ICCAT, pesca

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3