Projeto quer suspender Decreto que facilitaria uso das Águas da União
Aquicultura

Projeto quer suspender Decreto que facilitaria uso das Águas da União

Justificativa apresentada pelos senadores é que o decreto em vigor exclui a atividade fiscalizatória do Ibama e atuação do MMA

22 de janeiro de 2021

Um Projeto de Decreto Legislativo apresentado pelos senadores Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA) e Jaques Wagner (PT-BA) pretende sustar os efeitos do Decreto 10.576, de 14 de dezembro de 2020, que estabelece que pessoas físicas ou jurídicas podem requerer o uso desses espaços físicos junto à Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio de apresentação de projeto técnico. As informações são da Agência Senado.
 
Com isso, o uso dos espaços físicos em corpos d’água de domínio da União para a prática da aquicultura por pessoas físicas ou jurídicas poderia ser suspenso.
 
A justificativa apresentada pelos senadores é que o decreto em vigor exclui a atividade fiscalizatória do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a atuação do Ministério do Meio Ambiente sobre a cessão desses espaços físicos. “Em meio a processos que se caracterizam por 'passar a boiada', em que, pelo manto da desburocratização e modernização, os órgãos ambientais deixam de ter voz ativa em atividades potencialmente poluidoras, em ofensa aos ditames constitucionais de proteção ambiental, é necessário que o decreto seja urgentemente sustado”, enfatizou o senador Paulo Rocha
 
O Decreto Nº 10.576, de 14 de dezembro de 2020, foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e substitui o Decreto Nº 4.895/2003. Na época da publicação, através do Twitter, Bolsonaro comentou a decisão em um vídeo onde aparecia ao lado do secretário da Aquicultura e Pesca (SAP), Jorge Seif Jr. Conforme ele, o novo decreto “desburocratiza, moderniza e dá celeridade aos processos de cessão de águas da União, facilitando o cultivo de organismos aquáticos no Brasil'' (leia mais aqui).
 
Consulta Pública
 
 
Cresce a mobilização nas redes sociais ligadas ao meio aquícola para que o setor se posicione diante do projeto de decreto legislativo de senadores do PT. No fechamento do boletim "Pescado em análise" de 29/01/2021, 291 pessoas haviam dito na consulta pública do portal do
Senado Federal que não apoiam a proposição, enquanto 34 disseram que sim.
 
Segundo a coordenadora-geral de Ordenamento e Desenvolvimento da Aquicultura em Águas da União, Juliana Lopes, o papel do Ibama no processo era apenas verificar se o solicitante estava cadastrado no Cadastro Técnico Federal – CTF e se a espécie solicitada era permitida na Bacia Hidrográfica. No Decreto atual, 10.576/2020 traz no Art. 13 que toda aquicultura só poderá cultivar espécies permitidas pelo Ibama.
 
Lopes explicou em texto que circula nas redes que o processo de cessão de uso de águas da União para fins de aquicultura é distinto do processo de licenciamento ambiental. “toda atividade produtiva necessita do licenciamento ambiental para estar regularizada, inclusive a aquicultura. No entanto, esse licenciamento é posterior à cessão de uso, pois não se pode licenciar algo que não é seu, principalmente um bem da União.
 
Assim, primeiro o interessado possui a cessão de uso e posterior com o contrato de cessão na mão procede com o licenciamento”, esclareceu. Ela salienta ainda, que de acordo com a LC 140/2011, em águas interiores o licenciamento ambiental é prerrogativa dos órgãos estaduais de Meio Ambiente, ficando a cargo do Ibama apenas licenciar empreendimentos no mar territorial e zona econômica exclusiva.
 
 

aquicultura, aquicultura, águas da União, águas da União, Bolsonaro, Bolsonaro, Ibama, Ibama, Mapa, Mapa, piscicultura, piscicultura, SAP, SAP

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3