Marel realiza o primeiro Tilápia ShowHow da América Latina
Indústria

Marel realiza o primeiro Tilápia ShowHow da América Latina

Encontro reuniu especialistas da América Latina e da Europa para demonstrar, na prática, etapas do processamento de tilápia

18 de maio de 2022

Representantes das maiores empresas de processamento de pescado do Brasil e autoridades do setor participaram do Tilápia ShowHow, promovido pela Marel entre os dias 3 e 5 de maio no Centro de Demonstração e Treinamento Progress Point, em Campinas (SP). 
 
Realizado pela primeira vez, o encontro reuniu especialistas da América Latina e da Europa para demonstrar, na prática, etapas do processamento de tilápia, com as principais inovações da empresa. Em várias sessões VIP, foram apresentados equipamentos e software que impulsionam o processamento de tilápia e garantem competitividade ao setor.
 
No encerramento, o diretor regional da Marel na América Latina, Clausius Nobrega, destacou a importância do evento para toda a América Latina. “Assim como a Marel transformou o processamento de aves e carnes no Brasil e de salmão no Chile, a empresa terá o mesmo peso em inovação com a tilápia”, destacou.
 
Nas sessões VIP, os participantes acompanharam o processo de produção em uma linha de processamento de tilápia especialmente montada para o encontro. As demonstrações foram guiadas pelos gerentes de vendas Eduardo Weschenfelder e Paulo Guth, e pelos especialistas Marcel Sudatti, Orlando Falcon, Luciano Jardin, Sebástian Moraga e Tiago Azevedo.
 
Linha de processamento
 
Inicialmente, as tilápias foram pesadas e classificadas na Classificadora Compacta, uma solução completa para a classificação automatizada que viabiliza formação de lotes simples, de peso fixo ou variável. Um dos carros-chefes da Marel, o equipamento conta com mais de 50 programas de classificação, garante versatilidade de produtos e reduz o desperdício. 
 
A filetagem foi feita na FilleXia, o mais recente lançamento da Marel. Desenvolvido exclusivamente para o mercado brasileiro, o equipamento garante filetagem automática de alta qualidade, processando até 40 peixes por minuto. Assegura uma produção comprometida com a segurança dos alimentos, com baixo custo e rendimento máximo. A pele foi retirada na Skinner OTM-50, que assegura máximo rendimento do filé.
 
Em seguida, foi apresentada a linha inteligente de corte e refile StreamLine, que fornece monitoramento em tempo real de cada estação de trabalho quanto ao rendimento, produtividade e qualidade. Contribui para melhorar a logística e manuseio dos pescados ao longo da produção.
 
A preocupação da Marel com a qualidade e segurança dos alimentos foi demonstrada no SensorX, tecnologia avançada de inspeção por raios X, que escaneia cortes e refiles com precisão para detectar, além da espinha, contaminantes duros como metal e vidro. 
 
O processo de finalização foi feito com a classificadora SmartLine, que cria lotes inteligentes, de forma a obter o maior aproveitamento da matéria-prima, e garante sobrepeso mínimo. O equipamento passou a ser produzido pela Marel no Brasil e ficou mais acessível aos processadores, com prazos de entrega menores e mais flexíveis e com opção de financiamento via BNDES Finame.
 
As porções foram inseridas na formadora de lotes Target Batcher, solução eficiente e compacta para os processos de embalagem. Cria lotes precisos de peso fixo, facilita a formação de porções e reduz a necessidade de retrabalho.
 
No final da demonstração, foi apresentada a I-Cut 22, porcionadora que combina altos níveis de precisão, produção e confiabilidade. Também corta produtos de pescado sem espinha e descongelados, em peso fixo e/ou dimensões uniformes.
 
Com investimento constante em inovação, a Marel detaca que prioriza a conectividade dos equipamentos com o software de processamento de alimentos Innova, que contribui para melhorar a gestão e o controle do processo de produção. A coleta e o uso de dados relevantes permitem que as empresas monitorem todas as etapas e ganhem vantagem competitiva. 
 
O layout de processamento de tilápia montado para o ShowHow ficará disponível no Progress Point Campinas durante o mês de maio para que os processadores de alimentos possam conhecer os equipamentos. 
 
Tecnologias como a FilleXia garantem competitividade ao setor
 
Empresas que estão atentas às necessidades dos frigoríficos e investem em tecnologias, como a Marel, têm papel preponderante para que o setor de pescado brasileiro cresça e ganhe competitividade nos mercados interno e externo. 
 
O presidente da Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), Francisco Medeiros, destaca que, atualmente, no frigorífico, a Marel e outras empresas do setor estão recebendo constantemente dos empresários a solicitação por melhoria de processos, e por equipamentos que possam proporcionar redução do custo e aumento da produção.
 
E a Marel têm atendido prontamente a essa demanda. Exemplo recente, lançado exclusivamente para o mercado brasileiro no III International Fish Congress & Fish Expo Brasil, no final do ano passado, é a FilleXia, filetadora automática para tilápia.
 
Equipamentos como esse são considerados estratégicos para o setor, especialmente na comercialização da tilápia, que representa mais de 60% da produção brasileira de pescado. Atualmente, o Brasil é o quarto maior produtor de tilápia no mundo. No ano passado, produziu 534.005 toneladas de tilápia, com crescimento de 9,8% sobre o ano anterior. Para 2030, a projeção é ampliar a produção para 1,2 milhão de toneladas, para consumo interno e externo.
 
“A tilápia é uma commodity, que se comercializa em 140 países, e todo mundo sabe o preço. Eu tenho que ter meu custo adequado ao preço internacional para que possa oferecer o produto no mercado interno e externo e as ferramentas tecnológicas são nossa grande aliada para essa competitividade”, declara Medeiros. 
 
O presidente do International Fish Congress & Fish Expo Brasil (IFC) e ex-ministro da Pesca e Aquicultura, Altemir Gregolin, informa que o grande desafio da indústria brasileira de tilápia é a competitividade. A cadeia é a que mais cresce na aquicultura brasileira nos últimos 10 anos. Registrou aumento de 46% na produção no primeiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2021. “E a indústria é a âncora de todo esse processo”, afirma.
 
Ele ressalta a vanguarda da Marel no desenvolvimento desta cadeia no Brasil. “A Marel está na linha de frente, como principal empresa em termos de oferta das tecnologias mais modernas para a automação de todo o processo”, declara. Como destaques, ele cita a FilleXia, lançada no IFC em 2021, e o software Innova, que emite relatórios em tempo real, possibilitando a correção de erros e permitindo acertos durante o processo de produção. 
 
Por isso, ele destaca o papel determinante da empresa para que a cadeia brasileira continue crescendo, sendo competitiva e ocupe mais espaço no mercado internacional. 
 
Parceira da indústria brasileira na expansão
 
Parceiras da Marel, empresas brasileiras que processam tilápia são pioneiras a adquirir a filetadora FilleXia. A Copacol foi uma delas e opera com equipamento, em fase de ajustes, desde abril. “Temos uma expectativa muito positiva em relação à produtividade e qualidade; além disso, outras empresas que adquiriram o equipamento já reportam resultados muito bons”, afirma Vanessa Ribeiro, analista de processos industriais da Copacol.
 
O investimento na FilleXia faz parte de projeto de expansão nas plantas de Nova Aurora e Toledo (Paraná) da cooperativa, que ganha espaço nos mercados interno e externo e investe no aumento da produção .
 
A Copacol conta com equipamentos da Marel na classificação de pescado e tem interesse, no futuro, em automatizar outras etapas do processamento para melhorar a produtividade, ergonomia e evitar contratempos com rotatividade de mão de obra.
 
O Grupo Ambar Amaral, detentor da marca Brazilian Fish, adquiriu o equipamento como parte de um projeto arrojado de expansão. “Estamos apostando todas as fichas nessa tecnologia, saindo de uma planta de 35 toneladas/dias para uma planta de 100 toneladas/dia e queremos triplicar o volume nos próximos 24 meses”, afirma Antonio Ramon do Amaral Neto, proprietário do Grupo Ambar Amarel. “Para nós é um privilégio ser um dos pioneiros nessa inovação, que se alinha a um dos sete valores da empresa, que é justamente inovar. É muito gratificante fazer parte desse momento da Marel no pescado no Brasil”, declara
.
Parceira de muitos anos, a C. Vale investe em tecnologias da Marel para incrementar sua produção. “Desde que tivemos o protótipo da FilleXia dentro da C. Vale e começamos a fazer os testes, não havia dúvidas de que o equipamento daria certo. Estamos ainda aprendendo com o equipamento série zero, trabalhando para cada dia mais melhorar o nosso processo e para passar as informações para a Marel, que é a nossa fornecedora, que pode nos ajudar a ter uma melhor eficiência do equipamento”, afirma Emerson José Colle, gerente industrial da C. Vale. Após participar do Tilápia ShowHow, representantes da empresa vislumbram novas possibilidades de investimentos em tecnologia.
 
O Grupo BTJ também confiou na Marel para modernizar sua linha de produção. “Iniciamos as conversas com a Marel sobre projetos e plantas, sempre olhando para futuro. Há cinco meses, comissionamos a linha e acreditamos que é o parceiro certo para promover um setor que ainda está no início, mais especificamente no nosso caso, o setor de tilápia”, declara Felipe Franco, proprietário do Grupo BTJ.
 
Créditos: Divulgação
 
 
 

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3