Camanchaca perde mais de 160 mil salmões por proliferação de algas
Aquicultura

Camanchaca perde mais de 160 mil salmões por proliferação de algas

Empresa relatou dois eventos de mortalidade massiva de salmão nos centros de cultivo de Nieves e Puerto Argentino

16 de março de 2021

arroba publicidade
O Serviço Nacional de Pesca e Aquicultura do Chile relatou dois eventos de mortalidade massiva de salmão nos centros de cultivo de Nieves e Puerto Argentino da Salmones Camanchaca SA, na parte sul da Região de Los Lagos, na comuna de Chaitén. A causa da mortalidade foi atribuída ao baixo nível de oxigênio devido à proliferação de microalgas.
 
Conforme o Mundo Acuícola, em comunicado à imprensa, Salmones Camanchaca  revelou que, até o momento, os eventos de morte significaram a perda de 162 mil peixes da espécie salmão do Atlântico, o que representa 1,4% do total de peixes da empresa, e 2,9% da biomassa total. 
 
A Salmones Camanchaca SA estima que a perda de biomassa e despesas associadas ao incidente terão um impacto financeiro estimado -até esta data- próximo a US $ 3,5 milhões, que o seguro correspondente foi acionado em tempo hábil, e que a safra anual estima que foram reduzidas entre 500 e 1.000 toneladas, o que é próximo a 1,0-1,5% das colheitas totais estimadas em 2021.
 
Outro evento de características similares afetou o centro de cultivo da empresa Multiexport Foods em Quinchao, Chiloé, onde 120 toneladas de salmão foram afetadas, segundo as autoridades.
 
Créditos da imagem: Pixabay
 

, microalgas, Multiexport Foods, salmão, Salmones Camanchaca SA

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3