Aumenta a demanda global de atum em lata
Pesca

Aumenta a demanda global de atum em lata

Qualidade do produto é tida como a principal causa da própria ameaça, devido à grande demanda

03 de maio de 2021

arroba publicidade
O consumo global do atum em lata aumentou por ser acessível e estável, apontou o relatório divulgado pela FAO/ONU neste domingo (2), quando foi comemorado o Dia Mundial do Atum, data criada pela Assembleia Geral da ONU para incentivar uma maior gestão da conservação do produto em favor de sistemas que evitem a quebra de populações da espécie.
 
O relatório destaca a importância econômica do atum, tanto para países desenvolvidos como em desenvolvimento, aparecendo em mais de 40 espécies diferentes nos Oceanos Atlântico, Índico e Pacífico e no mar Mediterrâneo. Já a qualidade do produto é tida como a principal causa da própria ameaça, devido à grande demanda.
 
Cerca de 7 milhões de toneladas são retiradas dos mares por ano. As espécies de atum respondem por 20% do valor de todo o pescado marinho e mais de 8% dos frutos do mar comercializados globalmente.
 
Durante a crise da Covid-19, a demanda por produtos crus congelados também aumentou, mas o atum manteve-se no mesmo nível, aparentemente por causa das restrições nos serviços associados a refeições. A FAO estima que a captura de atum e peixes da mesma família continue a aumentar.
 
Os níveis mais altos ocorreram em 2018, com cerca de 7,9 milhões de toneladas. O total contrariou a redução alcançada dois anos antes. E mais de 96 países se comprometeram a fazer a conservação e gestão do atum, que tem um valor anual de quase US$ 10 bilhões.
 
Aumento do selo azul
 
Além disso, a busca por certificação de sustentabilidade no atum também está crescendo, conforme dados publicados pelo Marine Stewardship Council (MSC), que apontou um aumento previsto de 38% dos produtos à base de atum com o seu selo azul em 2020/2021, destaca o Agricultura e Mar.
 
A proporção da captura global de atum por volume envolvida no programa do MSC para a pesca sustentável duplicou de 2019/20 para 2020/21 (26% para 49%), com as pescarias de atum certificadas MSC representando 28,89% e outros 20,4% em avaliação, comparativamente a menos de 1% em 2019/20.
 
O relatório da ONU publicado em 2020 revelou que oito unidades populacionais de atum tinham sido recuperadas para um nível saudável entre 2014 e 2019, reduzindo de 13 para cinco o número das populações de atum sobrepescadas.
 
Dados mais recentes da International Seafood Sustainability Foundation indicam que a maioria das unidades populacionais comerciais de atum permanecem em níveis saudáveis de abundância (65%). Embora 13% das unidades populacionais de atum permaneçam abaixo da abundância ideal e 22% das unidades populacionais são alvos de sobrepesca, os estoques de atum estão em melhor estado do que a média, uma vez que a FAO estima que 34,2% das pescarias comerciais são sobrepescadas.
 
"O crescimento de atum com a certificação do MSC reflete as conquistas das pescarias empenhadas na sustentabilidade, e, ao adquirirem atum com a certificação do MSC, as empresas da cadeia de abastecimento de produtos do mar sustentáveis estão a reconhecer e a recompensar a pesca sustentável do atum” falou Nicolas Guichoux, diretor do Programa no Marine Stewardship Council.
 
 
Créditos da imagem: Pixabay
 

atum, Covid-19, FAO, frutos do mar, msc, ONU, pandemia, peixes

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3