Após Seaspiracy, ASC lança padrão para fabricação de rações
Aquicultura

Após Seaspiracy, ASC lança padrão para fabricação de rações

Padrão exige que fábricas de rações atendam a rígidos requisitos ambientais e sociais

15 de junho de 2021

arroba publicidade
Após o filme Seaspiracy ter levantado o debate sobre o impacto dos ingredientes marinhos usados pelas fazendas de peixes, o Aquaculture Stewardship Council (ASC), está lançando nesta terça-feira (15) um “Feed Standard”, um padrão na fabricação de rações, na tentativa de lidar com esse problema. 
 
Segundo o ASC, o padrão é o resultado de anos de desenvolvimento por um grupo diversificado de especialistas, incluindo produtores de rações, varejistas, ONGs, agricultores e outras partes interessadas. Ele exige que as fábricas de rações atendam a rígidos requisitos ambientais e sociais, além de usarem ingredientes de origem de fornecedores socialmente responsáveis e matérias-primas ambientalmente responsáveis. 
 
Os requisitos sobre relatórios de desempenho também irão melhorar a transparência da indústria, recompensar a sustentabilidade ambiental e auxiliar pesquisas futuras sobre alimentação responsável. 
 
O padrão agora entrará em um período de efetivação de 14 meses, permitindo que auditores, fabricantes de rações e seus fornecedores se familiarizem com ele e se preparem para a certificação. E entrará em vigor no outono de 2022, quando as fábricas de rações se tornarem elegíveis para a certificação. As fazendas terão 24 meses para mudar para ração compatível com as demandas da ASC. 
 
“A aquicultura já está fornecendo mais da metade dos frutos do mar consumidos em todo o mundo, sustento para milhões de pessoas, e sem ela não seremos capazes de alcançar a segurança alimentar para uma crescente população global com baixo carbono pegada. Mas esse impacto positivo será desfeito, a menos que a alimentação usada pela indústria seja adquirida de forma responsável”, destacou o CEO da ASC, Chris Ninnes.
 
Conforme ele, os ingredientes marinhos desempenham um papel importante no fornecimento de nutrientes vitais para peixes de viveiro, mas devem ser usados ​​e adquiridos de maneira responsável. “Em vez de promover a substituição de um tipo de ingrediente por outro, o Padrão de alimentação ASC reconhece que todos os ingredientes - marinhos e agrícolas - podem ter benefícios, bem como impactos, e devem ser tratados de forma holística”, pontuou.
 
“Sabemos que muitos produtores e fabricantes de rações já estão levando essa questão a sério e queremos recompensá-los e incentivar outros a fazerem o mesmo para enfrentar o que poderia ser a maior ameaça à reputação da indústria”, completou Ninnes.
 
 
Aquicultura responsável
 
O Feed Standard adota a abordagem do ASC para a aquicultura responsável e a estende às fábricas de rações que fabricam alimentos aquáticos, bem como aos fornecedores de seus ingredientes. Esses lugares serão as instalações auditadas de acordo com o padrão, mas eles e as fazendas terão tempo para garantir que suas cadeias de suprimento atendam aos requisitos do ASC. O Padrão também incentivará mais fábricas de ração a trabalhar em direção à certificação para atender à crescente demanda das fazendas ASC.
 
Além da sustentabilidade ambiental, as fábricas também devem garantir que elas e seus fornecedores sejam socialmente responsáveis. Por exemplo, os auditores independentes devem verificar se não estão usando trabalho forçado ou infantil, pagar e tratar seus funcionários de maneira justa e sem nenhum tipo de discriminação.
 
Como fonte de proteína, a aquicultura tem uma das pegadas de carbono mais baixas, mas é importante que a indústria monitore e trabalhe para reduzir sua pegada ao longo de toda a cadeia de abastecimento. As fábricas de rações certificadas pela ASC terão que registrar e relatar seu uso de energia e emissões de gases de efeito estufa; e trabalhar para melhorar a eficiência energética, uso de energias renováveis ​​e uso de água.
 
O Feed Standard usa um modelo de melhoria para ingredientes marinhos que exige que as fábricas de rações obtenham recursos de pescarias mais sustentáveis ​​ao longo do tempo. Segundo o MSC, o modelo oferece uma oportunidade única para as fábricas de rações trabalharem junto com seus fornecedores de farinha e óleo de peixe para atender às crescentes necessidades ao longo do tempo.
 
Para ingredientes de base vegetal, assim como com base marinha, as fábricas terão que registrar e relatar todos os ingredientes que compõem mais de 1% de uma ração, e precisarão tomar medidas para garantir que eles tenham sido obtidos de cadeias de abastecimento com baixo risco para desmatamento ilegal, entre outras regras. 
 
Conforme o ASC, serão fornecidos documentos adicionais para auditores e fábricas de rações para fornecer uma orientação clara sobre como o padrão deve ser implementado, assim como os Requisitos de Acreditação de Certificação (CAR) fazem para os padrões ASC para fazenda.
 
Créditos da imagem: Acervo/Seafood Brasil
 

aquicultura, ASC, certificação, Chris Ninnes, fábrica de ração, Feed Standard

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3