Projeto Parque do Peixe levanta discussão
Aquicultura

Projeto Parque do Peixe levanta discussão

Proposta apresentada pela PeixeSP vai para assembléia pública na quarta-feira (21)

16 de agosto de 2019

arroba publicidade
O primeiro Parque do Peixe poderá ser construído na cidade de Santa Fé do Sul - conhecida principalmente por realizar a Aquishow Brasil -, uma das maiores feiras de piscicultura do País. O projeto, ainda em discussão, movimentou o município nas últimas semanas.
 
A proposta do Parque foi apresentada pela Associação dos Piscicultores em Águas da União (PeixeSP) e está baseada em três pilares: produção lucrativa, preservação do meio ambiente e o desenvolvimento social.
 
Segundo o Portal Informa Mais, a proposta da instalação pede a "concessão" de uso de uma área de 70 mil metros quadrados, localizada no Bairro Águas Claras. O documento foi apreciado na segunda-feira (12), pelo prefeito, Ademir Maschio e vereadores da região.
 
Já para terça-feira (20/08) está marcada outra reunião com os políticos e na quarta-feira (21) uma audiência pública irá debater o projeto.
 
Para a secretária executiva da PeixeSP, Marilsa Patrício Fernandes, a proposta é pioneira e inovadora no que diz respeito à junção da pesca esportiva, profissional/artesanal e da aquicultura para uma região. “Acho que isso não existe, pelo menos eu desconheço de uma forma claramente colocada em uma harmonização de propósitos comuns para que todo mundo ganhe. Na proposta ganha a cidade, ganha a piscicultura, ganha a pesca esportiva e ganha o pescador que sobrevive da pesca profissional”.
 
Conforme ela, a localização geográfica da região também é um fator importante. “Em um raio de 80 km se posiciona entre os rios Paranaíba, Rio Grande, Rio Paraná, Rio Tietê e Rio São José dos Dourados, que leva até no nome um peixe por conta da abundância desta espécie”, falou Fernandes.
 
Segundo a secretária, a proposta está causando polêmicas por ser inovadora e fazer uso de um espaço público. “Ninguém quer o espaço público, é a utilização de uma área do município que vai permanecer como propriedade do mesmo. Só queremos usar a área que está lá parada sem uma destinação específica, para poder fomentar a atividade pesqueira na região e com isso também fomentar, agregar e incrementar o turismo regional”, destacou.
 
“Na minha opinião, o projeto deve acontecer, acho inovador e vai terminar prevalecendo o bom senso de que ele seja implantado”, finalizou Fernandes.
 
De acordo com o portal, o vereador Marcelo Favaleça disse que serão necessários mais elementos que venham esclarecer diversas dúvidas sobre a ideia e elencou sete dúvidas principais da proposta:
 
1- Será preciso saber se a área pode ser doada (segurança jurídica)
2- Precisamos do projeto, apenas temos apenas uma síntese em papel sem aprofundamento.
3- De onde virá o dinheiro para a construção.
4- O que será construído em toda essa área.
5- Quando começa essa construção após a "doação" (Concessão).
6- Qual o prazo para terminar a obra.
7- Quem vai se beneficiar com o Projeto.
 
 
O que será o Parque do Peixe?
 
Um resumo apresentado pela PeixeSP lista os principais objetivos do Parque do Peixe, como a realização de eventos voltados para atividade pesqueira, tipo torneios/campeonatos de pesca e Feiras Náuticas.
 
Conforme o documento, a Aquishow Brasil também teria impacto com a concretização do projeto. “A Aquishow Brasil que, se realizada nas águas às margens do reservatório teria um valor incomensurável agregado ao evento, tendo em vista que seria o único no mundo neste formato e por isso as questões de logística argumentadas pelos defensores da proposta de realização do evento em outro município em função de infraestrutura se justificaria em decorrência deste diferencial agregado”.
 
O fomento à pesca esportiva/recreativa praticada por lazer aparece como o segundo eixo da proposta. “No quesito pesca há que se destacar que por meio do Programa Permanente de Repovoamento haverá o aumento da oferta de peixes para a pesca profissional/artesanal para os pescadores que sobrevivem com a atividade”.
 
Já o programa permanente de repovoamento das espécies nativas da região que visa aumentar a oferta de peixes para a prática da pesca esportiva com maior oferta de peixes, aparece como o terceiro eixo que proporcionará uma “ampliação do turismo”.
 
O quarto eixo consiste em programas de Educação ambiental, programas de reflorestamento das matas ciliares e conservação de/recuperação de nascentes, estes aparecem como pretensões com prefeituras e as secretarias/departamentos de Educação dos municípios da região.
 
“A criação do Parque do Peixe pode impulsionar a atividade turística na região através da organização e arregimentação de parcerias estratégicas correlatas à atividade com a implantação de um ‘cluster’ do pescado com desenvolvimento e utilização simultânea dos quatro pilares fundamentais para sua estruturação conhecidos pela sigla AMPG: atratividade, marketing, produtividade e gestão”, frisou o documento.
 
 
Créditos da imagem: Wikipédia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3