Lideranças da pesca mantém velhos sonhos com novo presidente Bolsonaro

Lideranças da pesca mantém velhos sonhos com novo presidente Bolsonaro

09 de novembro de 2018

arroba publicidade
O novo presidente Jair Bolsonaro, eleito pelo Partido Social Liberal (PSL), representa "a esperança de dias melhores" também para a pesca, segundo a opinião de Alexandre Espogeiro, presidente do Coletivo Nacional de Pesca e Aquicultura (Conepe).

Embora ainda não haja uma definição concreta sobre a vinculação da Secretaria da Aquicultura e Pesca (Seap) ao Ministério da Agricultura, a nova ministra Tereza Cristina já anunciou que o setor deve ser anexado à pasta que ela comandará a partir de janeiro.

Esta foi a única indicação concreta sobre a atividade até o momento, mas Espogeiro engrossa a voz daqueles que pleiteiam a indicação de pessoas técnicas nos cargos da Seap. Segundo ele, desde a criação da secretaria, há postos ocupados “politicamente”.

O presidente da instituição lamenta a falta de crescimento da pesca nos antigos governos, apesar de ter havido um Ministério específico para a área. “Nunca conseguimos dar sequência em nada que foi iniciado para ajudar o desenvolvimento da pesca. As únicas coisas que funcionaram nesta época foram para fiscalização”, comentou.

E garante que os pescadores irão continuar a fazendo sua parte. “Trabalho não falta para organizar a pesca e nós do setor estamos dispostos a ajudar para viver dias melhores com respeito e dignidade”, concluiu Espogeiro.

Jorge Neves, presidente do Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí e Região (Sindipi), também é outra figura atuante no setor pesqueiro que fortalece o discurso pró-Bolsonaro de que o novo governo irá trazer mudanças significativas.

Para Neves, a nova gestão também renova as esperanças de que a pesca será cuidada com maior seriedade pelo governo: “Até agora a pesca foi tratada como moeda de troca sem o devido respeito que merece”, comentou.

O presidente do Sindipi ainda enfatizou a necessidade de reduzir proibições por parte dos órgãos ambientalistas e mais pesquisas com ordenamentos ao setor. “ Ou seja, ao invés de nos indicar outros lugares para pesca, não tem pesquisa, só proibição. A gente tem muita esperança neste novo governo, e que ele nos olhe com bons olhos, como deve ser visto e como o mundo enxerga a pesca”, concluiu Neves.

Alexandre Espogeiro, aquicultura, Conepe, Jair Bolsonaro, Jorge Neves, órgãos ambientalistas, peixe, pesca, pescado, Seap, Sindipi

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3