Com o governo em suspenso, entidades do setor se reúnem com ministro do MDIC

Com o governo em suspenso, entidades do setor se reúnem com ministro do MDIC

Marcos Pereira recebe Abipesca, PeixeBR, Compesca e empresas, que cobram celeridade na aprovação da MP

19 de maio de 2017

arroba publicidade
Poucos minutos após o jornal O Globo revelar o teor da conversa gravada por Joesley Batista, da JBS, com o presidente Michel Temer, o Congresso ficou paralisado. Entre as votações da noite da quarta-feira (17/05) estava a da Medida Provisória nº 768/2017 – que, entre outras disposições, efetivaria a transferência da Secretaria de Aquicultura e Pesca ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Antes de a bomba desestabilizar o governo federal, tudo caminhava para uma votação protocolar que aprovaria a MP sem sustos. Com este cenário no horizonte, a Associação Brasileira das Indústrias de Pescado (Abipesca) articulou para a quinta-feira (18/05) um encontro com o ministro do MDIC, Marcos Pereira (PRB), para apresentar as demandas do setor.

A entidade convidou o que considera como os principais atores de mercado “que tem postura ética e condições efetivas para transformar o setor de pescado brasileiro”, disse Christiano Lobo, diretor para assuntos governamentais da Abipesca. Isso incluiu as empresas: Geneseas Dell Mare, Gomes da Costa, Camil/Coqueiro, Qualimar, Frescatto, Prime, Damm, Noronha, Peixes da Amazônia, Maris, Netuno e Atum do Brasil.

Outras organizações setoriais, como a Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria da Pesca do Estado de São Paulo (Compesca/Fiesp) e a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), também integraram a agenda.

Diante do cenário político, porém, o clima foi muito diferente do esperado. O ministro Marcos Pereira recebeu parte da delegação de empresários em seu gabinete por 20 minutos, quando originalmente ele almoçaria com todo o grupo no restaurante Coco Bambu, em Brasília. “Mentalmente, ele não estava lá. Estava visivelmente sem dormir”, diz um dos participantes, que ainda questionou: "Que promessas ele pode fazer nesta situação?".

Ele não teria comentado diretamente a questão política, mas manifestou apoio ao setor e animou a Abipesca. “A conversa foi muito boa. Ele viu que os empresário estão unidos na melhoria do setor, unidos na moralidade, em fazer produtos bons à população”, sublinha Thiago De Luca, diretor da Frescatto Company.  “Ele entende a oportunidade que o peixe tem no País, que qualquer avanço que façamos temos a chance de dobrar ou triplicar a nossa produção. Só pedimos a ele condições para vender um pescado mais barato no País.”

Pereira teria demonstrado esta sensibilidade, ao ressaltar que “uma indústria forte desenvolve o setor primário”, conta Breno Davis, CEO da Geneseas e vice-presidente do Conselho de Administração da PeixeBR, que elogiou a organização do evento e iniciativa da Abipesca.

WhatsApp Image 2017-05-18 at 17.24.29

Uma das principais demandas do setor foi a celeridade na aprovação da transferência, para a organização institucional da atividade. “Enxergo que não existe mais espaço para ação da secretaria enquanto o decreto de transferência não for votado”, avalia o coordenador do Compesca, Roberto Imai. Pereira sinalizou que acredita na aprovação da MP até a próxima segunda-feira (22/05).

Na sequência da agenda, o secretário de aquicultura e pesca, Dayvson Franklin de Souza, e o presidente da Frente Parlamentar Mista da Pesca e Aquicultura, o deputado Cléber Verde (PRB), reuniram-se no Coco Bambu. No cardápio, “peixes e frutos do mar, muita cordialidade e poucas cobranças”, afirmou um dos presentes.

Crédito das fotos: Christiano Lobo/Abipesca

Atum do Brasil, Camil/Coqueiro, Cléber Verde, Damm, Dayvson Franklin de Souza, Frescatto, Geneseas Dell Mare, Gomes da Costa, Marcos Pereira, Maris, Netuno, noronha, PeixeBR, Peixes da Amazônia, PRB, Prime, Qualimar

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3