Até recadastramento, secretaria dobra número de pescadores profissionais do País

Até recadastramento, secretaria dobra número de pescadores profissionais do País

Portaria libera temporariamente 400 mil pescadores para evitar multas, apreensões e ações judiciais contra a atividade

28 de julho de 2017

arroba publicidade
400 mil pescadores profissionais brasileiros podem respirar aliviados. A Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) publicou, nesta quinta-feira (27/07), a Portaria 1.275, que tornou válidos os registros suspensos ou ainda não analisados existentes no Sistema de Registro Geral da Atividade Pesqueira (SISRGP).

Pelo menos até o início do processo de recadastramento dos pescadores, que será realizado pela secretaria até o final do ano. A emissão de registros para a pesca profissional está suspensa desde 2015 por recomendação dos órgãos de controle. A transição da secretaria ao MDIC também atrasou o processo, já que o Ministério da Agricultura havia garantido que faria o recadastramento até abril de 2017.

A Portaria reconhece como documentos válidos para o exercício da atividade de pesca os protocolos de solicitação de registro ou comprovantes de entrega de relatório para a manutenção de cadastro devidamente atestados pelos órgãos competentes. Na prática, a medida libera temporariamente 400 mil pescadores assim declarados que, a partir de agora, poderão exercer a atividade pesqueira profissionalmente, sem ficarem sujeitos a autuações da Polícia Ambiental, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e outros órgãos. A expectativa é a de que se evite o risco de apreensão dos produtos e instrumentos, aplicação de multas e até ações penais a quem não portasse a carteirinha. 

De acordo com o secretário nacional de Aquicultura e Pesca, Dayvson Franklin de Souza, a medida traz dignidade à classe. "Simplificação dos processos administrativos e a desburocratização são uma prioridade na gestão do MDIC. Não vamos medir esforços para a implantação de um Sistema de Registro da Pesca consolidado e seguro."

A SAP deixa claro, no entanto, que a permissão é apenas para o registro da atividade e não dá direito aos pescadores requererem o seguro-defeso. Para isso, os pescadores precisam atender aos requisitos estabelecidos na Lei nº 10.779/2003 e Decreto nº 8.424/2015, como não dispor de outra fonte de renda e exercer a pesca como profissão durante os 12 meses imediatamente anteriores ao do defeso em curso.

Em Santa Catarina, onde atuam 42 mil artesanais e profissionais, os pescadores celebraram a iniciativa. Segundo a secretaria da agricultura e da pesca do Estado, cerca de 20% estavam com problemas no registro. “Santa Catarina é o principal pólo pesqueiro do país, o maior produtor de moluscos cultivados e pescados. A pesca é uma atividade muito importante e o sustento de milhares de famílias no Estado. O setor produtivo estava desamparado por isso essa notícia veio em boa hora e traz a segurança necessária para que os pescadores catarinenses continuem suas atividades”, ressaltou em nota o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa.  

Para o secretário-adjunto da Agricultura de SC, Airton Spies, as dificuldades do governo federal em atualizar os registros de pescadores não podem prejudicar o exercício da profissão. "Com essa nova medida, as autoridades terão o tempo necessário para emitir os novos registros enquanto os pescadores mantêm a sua atividade com segurança”, sublinhou.

Crédito da foto: Divulgação/Sindipi

MDIC, pesca, pesca artesanal, pesca industrial, pólos pesqueiros, SAP, Sistema de Registro Geral da Atividade Pesqueira (SISRGP)

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3